22/11/2020

Fica a dica


Em 2017, uma sondagem do afrobarometer indicava que a maioria dos cabo-verdianos considerava que o país era mal dirigido e tal como em 2014, cerca de metade dos inquiridos entendiam que a situação económica do país era má. Cerca de 76% mostravam-se poucos satisfeitos com o funcionamento da democracia e 82% achavam que os políticos nunca ou poucas vezes fazem o melhor para os ouvir. 

[Imagem: Fadi Abou Hassan, 2011] 

11/11/2020

Sobre os trumpismos, bolsanarismos, venturismos e companhias dos dias de hoje

 

"O ressentimento social exerce-se sobre um bode expiatório, causa de todos os males (...). Ao mesmo tempo, este movimento considera-se a eterna vítima da esquerda e da elite, e nutre uma profunda aversão pelos intelectuais, cosmopolitas e por quem quer que seja diferente. Segundo Ter Braak, esta postura política é alimentada, não tanto pela estupidez, mas antes pela falta de cultura, reconhecível pela utilização contínua de slogans e de retórica oca. É uma forma reacionária de política que defende que tudo era melhor antigamente e que voltará a melhorar quando o povo for depurado dos elementos estranhos que arruínam sempre tudo" (Rob Riemen, O Eterno Retorno do Fascismo, 2010).  

[Imagem: Sherif Arafa, 2014]

08/11/2020

Safende e a emergência de um outro modelo de liderança comunitária

Uma das estratégias de liderança e autogovernação partilhada e unidade comunitária inovadoras, criada fora das influências, partidárias, institucionais e/ou das agências da ajuda para o desenvolvimento, inspiradas na herança djulangue, é a introdução no bairro de Safende do conselho da comunidade.    

[Foto: Fabrice Monteiro, 2014]

02/11/2020

Do direito à cidade

"Embora hoje se fala de conceitos como cidades inclusiva, cidade mais segura, cidade resiliente e mais recentemente, smart city, para nós, alcançar estes desígnios só se consegue através da promoção do direito à cidade, não concebido como um simples direito de visita ou de regresso às cidades tradicionais, mas como direito à vida urbana, transformada e renovada. Isto quer dizer que ter direito à cidade é ter a capacidade de moldar o processo urbano que apesar de ainda se encontrar confinado a uma elite política e económica que trabalha cada vez mais para a criação de uma cidade que atenda aos seus interesses, deixando de lado o caráter democrático que deveria guiar este processo, depara na luta dos movimentos sociais um adversário à altura" (Diagnóstico comunitário Safende, 2020).


[Foto: RWL, 2020]