04/01/2019

Tem sido um começo de ano profícuo em matéria de esquisitices

No Brasil, o novo governo bolsonarista, com vários adeptos por estas bandas, diz que vai combater a ideologia de gênero, visto que "menino veste azul, menina veste rosa" (precisamente por esta ordem). Por outro lado, ameaça despedir todos os funcionários do Estado que sejam socialistas ou comunistas, de modo a evitar que a nova política "não ideológica" do governo seja bloqueada, assim como afirma acabar com o Tribunal de Trabalho, uma vez que "não faz sentido ter direitos se não houver trabalho". A não ser que o conceito ideologia foi redefinido, se isto não é ideologia, não sei o que mais pode ser considerado ideologia. 

Em Portugal, um programa televisivo de entretenimento, sob a pretexto de liberdade de expressão, convida um criminoso e um dos líderes de um movimento que tem no seu historial variadíssimas agressões racistas e vários crimes, participante ativo nos ataques de 10 de junho de 1995, que resultou na morte de um cidadão negro português, para vir dizer que Salazar era um tipo fixe e que faz falta.

Por cá, o movimento Sokols, que pessoalmente não me aquece nem arrefece, vê o abaixo-assinado a exigir voos da CV Airlines para São Vicente, subscrito por cerca de 1500 assinaturas, a ser recusado pelo governo. Isto no país exemplo em África e arredores em matéria de democracia e afins.   

Tem sido um começo de ano profícuo em matéria de esquisitices, numa era por si só esquisita.

Adenda: e a Senhora Ministra brasileira que também é Pastora Evangélica veio se justificar com a seguinte pérola: "então quando eu disse que menina veste cor de rosa e menino veste azul, é que nós vamos estar respeitando a identidade biológica das crianças". 

[Imagem apanhada na net]