27/09/2018

The revolution will not be televised

O assistencialismo mediático ou o espetáculo da caridade é definido como uma prática de legitimação social executada através dos meios de comunicação social de massa, hoje conhecido por redes sociais. Em termos reais, esta prática ajuda muito pouco, trazendo apenas benefícios pontuais e superficiais, mas sem transformar a sociedade. Trata-se, portanto, de um culto de personalidade e de criação clientelista com uma longa história nas ilhas, reatualizado pelos caciques partidários no pós-anos de 1990. Nos casos mais próximos de uma suposta emancipação social, resulta na criação de cidadãos inócuos... e o pior é quando se associa a sua pratica a um suposto ativismo político revolucionário. Adaptando Gil Scott-Heron há coisa, the revolution will not be televised...

[Imagem apanhada na net]

24/09/2018

Sobre a criminalidade e afins


Enquanto que nas ilhas, até onde sei, país normalmente posicionado nos lugares superiores do topo dos rankings de transparência, democracias e afins em África e arredores, a malta passa pelo governo e cargos administrativos estatais de topo, onde praticam descaradamente associação criminosa, falsificação, tráfico de influências, burla, peculato, branqueamento de capitais, etc e tal, não só no pasa nada como saem com estatuto de empresários, homens de sucesso ou pretos e mestiços honrados e de bem.  

[Na imagem membros dos Yakuza, 1985. Fofo: AP]

20/09/2018

Bombtrack

Terminado o teatro, PR ratifica a coisa. Ideologicamente coerente com o sistema partidário cabo-verdiano pós-pós-moderno e num contexto completamente diferente de março de 2015. Numa sociedade cada vez mais focada no ativismo self, um Bombtrack dos Rage Against the Machine, ideologicamente bem demarcada, talvez sirva para uma espécie de reflexão. 

[Imagem sacada na net]