30/06/2018

Cabo Verde e a estupidez diplomática

Ouvir do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Defesa e Comunidades de Cabo Verde que os EUA é o único país capaz de garantir segurança a Cabo Verde seria estranho não fosse Luis Filipe Tavares o gajo a ocupar esse cargo. A sua irracionalidade derivado do seu txupa-obismu e miopismo público em relação aos EUA vem desde os tempos da TCV. O que choca é a sua tamanha incapacidade analítica não só da história, como da política e das relações internacionais. Aliás, em relação a isso, a Assembleia Nacional é um tesouro. Sobre os 200 anos de cooperação Cabo Verde/EUA (que até faz sentido, uma vez que a independência é meramente simbólica), esta aula de Abel Djassi Amado na primeira edição da Universidade Nhanha Bongolon diz tudo. 

Quanto ao acordo em si, convém primeiro lembrar que vem dos tempos de Zemas e sua clique de rapina. Depois, o que há a dizer é que isto anda algo parecido com aqueles adolescentes que vêem no gangue a única forma de se protegerem, mal dando conta que enquanto espaço histórico e culturalmente violento, um gangue é o último sítio capaz de garantir proteção a quem quer que seja. Muito pelo contrário!        

[Imagem apanhada na net]

24/06/2018

Do Estado da Nação


Entendo violência política, também, como uma situação em que o Estado conhecendo uma determinada realidade social e, embora tendo capacidade de mitigação de um específico problema, nada ou pouco faz por mera questão de prioridades baseadas em interesses corporativos... e criminalidade negligente do Estado, também, como uma situação em que o Estado sabendo do risco de perda de vida humana decorrente de uma determinada decisão, o toma sem se precaver de medidas alternativas. 

[Imagem de Yuran .H, 2018]

22/06/2018

E que tal um movimento de cidadania insurgente para a substituição da estátua Diogo Gomes pelo memorial de Amílcar Cabral?

Mudança de memorial de Amílcar Cabral gera polêmica na cidade da Praia 

No ano de 2009, no Festival Hip Hop Konsienti, Nax Beat cantou:

(...) N' ka kre odja statua di Cabral rostu pa simiteriu | Di Diogo Gomes rostu pa palasiu di guvernu | Dja sta bon di rodidju ku purtugues* (Nax Beat . Odja, Obi, Ntendi, Dipoz Fala - Vizon Kritiku - 2009).

Vejamos a coisa deste jeito: ao invés da costumeira tática reativa, aproveitando a suposta deixa da CMP, pela boca do seu PR, de que a decisão não é definitiva e que estão abertos a discutir desapaixonadamente essa questão, que tal a malta se organizar num movimento de cidadania insurgente (ou se preferirem, o termo mais soft movimento de pressão total) e exigir a mudança do memorial de Amílcar Cabral para o Plateau. Aliás, falar de centralidade e juntar esta palavra àquela da memória, o futuro memorial de Amílcar Cabral só fica bem no atual local onde se encontra a estátua de Diogo Gomes. De ponto de vista simbólico, tal ato representa uma ação contra-colonial. Por outro lado, ainda no âmbito simbólico, uma estátua de Diogo Gomes na rotunda do Homem de Pedra a espreitar de mansinho o Palácio do Governo faz todo o sentido.     

*(...) Não quero ver a estátua de Cabral com a cara virada para o cemitério | E a do Diogo Gomes virada para o palácio do governo | Chega de esquemas com os portugueses.

[Na imagem Amílcar Cabral by Hélder Cardoso, 2017. Foto RWL]

11/06/2018

Universidadi Nhanha Bongolon

Apesar das idiotices que já li e ouvi sobre a Universidadi Nhanha Bongolon, ela não é nem tem ou poderia ter pretensão de ser uma Instituição de Ensino Superior (que diga-se de passagem, existe a mais no território nacional). Aliás, apenas num contexto marcado por formalismos coloniais tal relação se aventa. Ela é um espaço que tem como ambição transformar-se numa plataforma transnacional de discussão horizontal de conhecimento(s) alternativo(s), orientada por uma epistemologia de transgressão e organizado periodicamente de forma itinerante. É promovido por um conjunto de coletivos africanos e cabo-verdianos constituído por ativistas e pesquisadores comprometidos com a ideia da emergência de uma ação colaborativa de política engajada com base ideológica libertária e pan-africana, criada na sequência de iniciativas como Djumbai Libertariu e Universidade Kwame N'Kruma. Integra um conjunto de outras ações em construção e, para além de um espaço de produção de conhecimento(s) alternativo(s), pretende ser, igualmente, um espaço de promoção de conhecimento(s) através de publicações em formato de dossiês temáticos.

[Na imagem Stand de Livros na Universidadi Nhanha Bongolon. Foto RWL]

02/06/2018

Da série "reprodução da cultura do macaco e do papagaio"

Não sei qual o mais idiota, se o intelectual provinciano que ignora propositadamente e, por conseguinte, ideologicamente, que a relação entre a pobreza e delinquência foi estabelecida no século XIII pelo frade católico e epistemólogo Tomás de Aquino (Karl Marx só nasceu nos finais do século XIX), desenvolvido posteriormente no século XIV pelo humanista e renascentista Thomas More ou se a sua claque online.

[Imagem tirada da net]