02/04/2017

Em Cabo Verde não existe corrupção – dir-se-ia – sequer, há queixas de corrupção

Sobre a suposta queixa coletiva contra os malfeitores do Estado e a busca de homens de coragem para tal, em 2013, numa semana de maio, um grupo auto-denominado Movimento Ação Transparência e Integridade entregou às autoridades nacionais e partidos políticos uma petição com 512 assinaturas denunciando vários crimes perpetuados pelos servidores públicos, entre os quais 80 casos identificados como sendo lesivos à Nação. Nenhuma medida foi tomada e hoje cá estamos. Como consequência, o arquiteto Nuno Ferro Marques, o porta-voz do grupo na altura, foi condenado por difamação ao então PGR através de um artigo de opinião publicado no extinto Liberal. Aqui o manifesto do grupo e o blogue com exemplos de vários casos de corrupção denunciados até 2013.

[Imagem apanhado algures pela net]