25/10/2016

Da crise de conceitos

Como já disse e escrevi inúmeras vezes, os picos de criminalidade urbana em Cabo Verde têm sido cíclicos e se o analisarmos a partir de uma perspectiva de evolução secular (macroevolução da criminalidade), percebemos que em termos de crise, só se estivermos a falar de crise de conceitos* de uma certa sociologia fast food reproduzida nas ilhas por uma intelectualidade folclórica mui institucionalizada.

Sobre o tema em si, já que a conversa volta a ser criminalidade, segurança e afins, relembro aos mais incautos os textos "Cidadania, Mobilidade Juvenil e Coesão Social Urbana" e "Violências Urbanas, Gangues e Jovens", produzidos em 2013 e 2014 respectivamente,

*Considera-se crise de conceitos quando os conceitos mobilizados não permitem elucidar com total precisão os fenómenos analisados, em parte porque ao invés de se buscar construir formulações teóricas baseadas em pesquisas sólidas, localmente situadas, importa-se conceitos (porque de outro jeito não sai) que em nada se adequam à realidade analisada.