21/06/2016

"Sociologia urbana, cidades globais e cidades pós-coloniais africanas" publicado amanhã pela RCVCJS

Amanhã, na Revista Cabo-Verdiana de Ciências Jurídicas e Sociais do ISCJS, será publicado o artigo intitulado "Sociologia urbana, cidades globais e cidades pós-coloniais africanas", onde abordo os principais contributos sociológicos no estudo das cidades ao longo da história e reflicto sobre a emergência do estudo pós-colonial das cidades africanas.  

[Na imagem cartaz do lançamento da Revista Cabo-Verdiana de Ciências Jurídicas e Sociais]

14/06/2016

Gaming and politics

Pois... fazemos de conta que não sabemos que o que está realmente em jogo é uma disputa pelo poder entre um grupo familiar e um grupo de pares do partido da situação, esta importante ferramenta de dominação social em Cabo Verde, e que um avanço como independente no contexto sócio-político actual é uma espécie de entrega de estafeta ao outro gangue político. Por isso, parem lá com esta palhaçada que fazemos de conta que não sabemos que os dois cliques partidários vão avançar juntos, que hoje o que realmente importa é esta posição do Vital Moeda.  

Adenda: e hoje a notícia que já se sabia desde a semana passada e tratar este processo como responsabilidade e inclusão ou é uma ignorância inocente ou uma ignorância engajada.      

09/06/2016

Sociedade de cunhas... parte II

Pouco mais de um ano depois de escrever esta posta, para lá da suposta descida da taxa do desemprego e do subemprego e afins em 2015, o que realmente me interessa são as informações relativas aos modos de procura de emprego em Cabo Verde. Dos inquiridos, 92,2% declararam ter solicitado directamente ao empregador e 80,8% responderam terem procurado junto de amigos, familiares, etc... (que também inclui, como é evidente, os partidos políticos). Apenas 12,3% conseguiram o emprego através de participação em concursos (ver aqui). A estatística, não obstante ser facilmente manipulável por motivos políticos etc e tal, é uma interessante ferramenta de análise para quem realmente a sabe ler de forma contextualizada... e então poderemos falar da ligação disto com aquela coisa a que chamo de segregação das oportunidades e do seu peso na reprodução das desigualdades sociais em Cabo Verde.

02/06/2016

Da série "thug life"

Vai e volta e a violência, criminalidade, delinquência e afins entra na agenda pública (ou nunca saiu). Do meu ponto de vista, continuamos aqui e embora queira acreditar que podemos caminhar para a aposta em políticas públicas inclusivas e participativas, pelo menos na Praia, o contexto social e urbano em construção poderá vir complicar ainda mais a coisa. Em 2011, quando falei pela primeira vez da geração Zé Pequeno e do financiamento público do armamento bélico dos grupos armados (aqui, aquiaqui, aqui e aqui) houve almas bem identificadas que falaram em invenção de objectos e de promoção de violência/delinquência. A questão que se põe é: porque é que não obstante a política de repressão iniciada em 2005 e a mudança de liderança nos grupos armados por via de prisões em massa, emigração e mortes, o "problema" da criminalidade urbana persiste? E vem se reconfigurando? Pois, para azar dos intelectuais folclóricos, que querendo furtar as suas capacidades natas de mau carácter projectam-na noutros, a resposta à questão carrega muitas balas nucleares e o biénio 2016/2017 promete... 

Por fim, uma comunicação de Agosto de 2013. Afinal, política também se faz a partir da academia, para desagrado dos muitos "cientistas puros".             

[Imagem sacada na net]

01/06/2016

As voltas que o mundo dá

A coisa agora é do tipo. O A Semana a brincar de ser o O Liberal e o O Liberal a brincar de ser o A Semana. Os membros do gangue amarelo apontando o dedo à ineficiência (eficiência há cerca de dois meses atrás) institucional e os membros do gangue verde preocupados com a célebre máxima dos custos para a imagem de Cabo Verde. 

[Na imagem Popeye by Roy Lichtenstein, 1961]