18/08/2015

Da série "reprodução da esquizofrenia identitária"

Dizem os neolusotropicalistas que a questão racial é um falso problema no arquipélago. Contrapondo essa ideia, os afrocentristas e pan-africanistas apontam casos de discriminação racial e apresentam a media e as agências publicitárias nacionais como sendo os grandes divulgadores do privilégio branco em Cabo Verde. Para mim, do ponto de vista ideológico e académico, esta é actualmente uma das discussões mais interessantes no país e mais ela se torna quando constato que a Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania institucionalizou de forma inconsciente (ou mesmo subliminar), em 2013, o privilégio branco nos ilhéus através da edição do número 4 da colecção Cadernos de Cidadania, direccionado às crianças do Ensino Básico.   

[Na imagem protesto contra a brutalidade policial nos EUA, Nova Iorque, 2014]