30/08/2015

O século XXI e as migrações forçadas para a Europa

Enquanto que por aqui se continua a partidarizar tudo, inclusive a chuva, e retira-se do baú do circo eleitoral a tese da 'rua de frente' e 'rua de trás', ignorando a tese 'filhos de dentro' e 'filhos de fora', este mapa mostra uma parte da real dimensão da tragédia afro-asiática na Europa.  

Via Entre as Brumas da Memória

Adenda: para uma compreensão sociológica do fenómeno, sugiro a leitura de Human Rights Across National Borders, de autoria de António Pedro Dores.

18/08/2015

Da série "reprodução da esquizofrenia identitária"

Dizem os neolusotropicalistas que a questão racial é um falso problema no arquipélago. Contrapondo essa ideia, os afrocentristas e pan-africanistas apontam casos de discriminação racial e apresentam a media e as agências publicitárias nacionais como sendo os grandes divulgadores do privilégio branco em Cabo Verde. Para mim, do ponto de vista ideológico e académico, esta é actualmente uma das discussões mais interessantes no país e mais ela se torna quando constato que a Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania institucionalizou de forma inconsciente (ou mesmo subliminar), em 2013, o privilégio branco nos ilhéus através da edição do número 4 da colecção Cadernos de Cidadania, direccionado às crianças do Ensino Básico.   

[Na imagem protesto contra a brutalidade policial nos EUA, Nova Iorque, 2014]

13/08/2015

Silly season* berdiano

Hoje, através do jornal A Nação, fiquei a saber que sou juntamente com Rosário da Luz, o mais novo reforço do MPD, na qualidade de independente, na eleição legislativa que se aproxima. A brilhante conclusão desse jornalismo de "buteku" deve-se ao facto de ter participado, como académico, em algumas conferências promovidas pelo partido verde e ser uma das vozes mais críticas das políticas juvenis e de segurança interna praticadas pelo Governo. É que não custava nada um telefonema a confirmar a coisa antes de encher o papel. Curiosamente, ainda ontem, num Fórum sobre a juventude, na Assomada, uma parte do staff "juvenil" do Presidente da República, malta do MPD, acusou-me, juntamente com Rony Moreira, de estar a defender a abolição do Estado e dos partidos políticos. Afinal. sou anarquista... 

Para se entender a nossa imprensa escrita aconselho este meu artigo, recentemente publicado pelo CEI-IUL. No entanto, o mais interessante é que isto vem reforçar a tese que tenho defendido, parcialmente publicada neste e neste espaço, em 2012 e 2014 respectivamente, suportada por um aturado trabalho de campo. 

*Conceito anglo-saxónico que se caracteriza pela falta de notícias importantes e sérias, em que os media são tomados de assalto pela falta de assunto e por uma maior incidência de temas inúteis e mais ou menos estúpidos.

[Imagem]

10/08/2015

Pelo Direito de Resistência (Art. 19, CRCV)

Hoje, 10 de Agosto, o governo angolano ameaça os jovens democratas através do seu jornal oficial. Hoje, 10 de Agosto, o braço armado do governo cabo-verdiano ameaça os jovens activistas através de um dos seus jornais oficiais. Hoje, 10 de Agosto, recebo de um colega este dossier do Boitempo sobre violência policial.

[Na imagem cartoon apresentado na edição de hoje do Jornal de Angola]

06/08/2015

Korrenti ativizta e as políticas de ocupação

Processo contestatário bem ou mal conduzido, o que interessa é que a acção directa do Korrenti Ativizta demonstrou a incoerência ideológica de alguns e colocou o empreendimento do Chow no centro do debate público. Coisa aliás que a comunicação social deveria já ter promovido há algum tempo, até porque, o povo não foi ouvido num assunto que irá transformar por completo a paisagem e o quotidiano da cidade capital. Para além disso, obriga a discutir o bloqueio de um outro projecto, quanto a mim mais sustentável, cujo memorando de entendimento tinha sido assinado depois de milhares de contos gastos em estudos solicitados. Este vir agora todo emotivo falar de afugentar investidores quando conhece bem os meandros do outro projecto, que certamente irá custar aos nossos bolsos milhares de contos em indemnizações é, no mínimo, politicamente muito amador. Fora os rasgos ditatoriais que deixa transparecer. Pelo menos lembrou que Djéu é um espaço público (e de facto ainda é) e, portanto, qualquer cidadão ou grupo pode lá estar o tempo que bem entender. Acampar ou manifestar no espaço público, que eu saiba, ainda não foi proibido, a não ser que regressamos aos tempos da velha senhora e esqueceram de me avisar.

O que ninguém se lembra é que o movimento Korrenti não só nasceu nos corredores do poder institucional como foi por ela legitimada. A sua política de ocupação teve início em 2013, como resultado dos desencontros entre as promessas políticas e práticas governativas e as consecutivas falhas na execução de políticas sociais inclusivas, tanto a nível local como nacional. A primeira ocupação, o Pelourinho, no bairro Achada Grande Frente, foi protegido pelo Ministério da Cultura e, no ano passado, depois da ocupação do antigo balneário e esplanada do bairro Lém Ferreira, rebaptizado como Finka Pé, viu o trabalho comunitário desenvolvido reconhecido pela Câmara Municipal da Praia, com o qual, através da Associação Pelourinho, em que a Korrenti diz ser braço político, assinou um protocolo de parceria, prometendo financiar com cinquenta mil escudos mensais os projectos comunitários nesses dois bairros.

O movimento foi criado em Janeiro de 2013, na sequência da política de pacificação referida aqui, inspirado, por um lado, pela visão do Cabral enquanto ícone e, por outro, pelo Fora do Eixo. Este último possibilitado pelo intercâmbio promovido pelo Ministério da Cultura de Cabo Verde que levou ao Brasil o agora seu líder e trouxe para Cabo Verde uma dezena de activistas do Fora do Eixo. Através do Projecto Sementi, mãe biológica do movimento, ganharam o último Prémio Nacional dos Direitos Humanos, na categoria Combate à Violência e Promoção da Cultura da Paz, prémio esse financiado pelo Escritório Regional da UNESCO situado em Dakar. Em 2014 foram financiados pelo Ministério da Administração Interna no âmbito da Campanha Nacional de Entrega de Armas e foram escolhidos pela ONU como um dos grupos acolhedores das acções da ONG brasileira AfroRaggae na Praia. Nestes dois anos em actividade fizeram parcerias com inúmeras ONG's e instituições públicas cabo-verdianas dos quais receberam menções de reconhecimento, e um suposto financiamento da Embaixada dos Estados Unidos da América a um dos seus projectos.

Pode-se concordar ou não com a ocupação e reivindicação do movimento mas ela e tão legítima e democrática como qualquer outra e pensar que este assunto é um falso problema é não ter mesmo nenhuma noção da realidade que nos rodeia. Mas o mais preocupante de tudo é a apropriação por parte da dita sociedade civil do termo agentes bloqueadores do desenvolvimento, que mais faz lembrar os anos de 1980.

[Imagem da ocupação do Djeu de Santa Maria, Praia]

03/08/2015

Da dessincronização do país

Hoje, em conversa com um amigo, ficou patente que enquanto Zemas faz o discurso de transformação na inauguração do Data Center da Achada Grande Frente, na Escola Básica do Lavadouro a degradação é marca registada, a ELECTRA não tem capacidade sequer de colocar um contador de electricidade num apartamento e os TACV é aquela lenga-lenga de sempre. O que fica é que daqui a uns 10 ou 15 anos, quando se falar de criminalidade organizada, tanto a situação como a oposição hão-de se lembrar do dia em que estenderam o tapete vermelho a uma das máfias mais perigosas do mundo.

[Na imagem parte da obra Mind Devour de Sebastian Eriksson, 2011]

01/08/2015

Estado da Nação by Gol Wayne

O novo mixtape de Gol Wayne resume nas músicas "Escravatura Moderna" e "País D'Hipocresia" o real Estado da Nação. Quanto a mim, o melhor álbum de rap feito em Cabo Verde este ano.  

Download aqui. Vídeo promocional aqui.

[Na imagem Escravatura Moderna de Gol Wayne]