02/04/2015

Os foleiros saíram à rua... parte II

Ao contrário dos achados da sociologia fast-food cabo-verdiana, tenho para mim que a apatia é a marca deste povo. Só que como quase tudo na vida, a apatia também tem limites. A abertura, para lá da chamada terceira vaga democrática, teve igualmente lugar porque os analistas sociais de então, autores do famoso inquérito de medição da satisfação do povo em relação ao partido-Estado, não levaram em consideração os discursos ocultos dos cabo-verdianos. Digo o mesmo em relação à manif de 30 de Março, o terceiro (na sequência de 13 e 20 de Janeiro).

Gil Scott Heron cantou nos anos de 1970 que as revoltas não são televisionadas, elas acontecem. Nos últimos tempos, estes discursos ocultos poderiam ser encontrados nas narrativas dos rappers, na escrita dos bloggers (convém não esquecer o papel do Blogjoint Project em 2009), nos cafés e bares, expressada em opiniões nos jornais, em vários artigos académicos e mais recentemente no Facebook. James Scott, antropólogo, cientista político e anarquista, argumentou, nos anos de 1990, que se olharmos com atenção para a história da dominação e resistência no mundo, concluímos que havendo um gatilho (a aprovação da coisa nesta conjuntura) e um grupo a dar o primeiro passo (MAC#114), a revolta acontece. Foi assim no passado santiaguense (e cabo-verdiano)... afinal, continuamos sentados num barril de pólvora.  

A tese da partidarização e institucionalização da sociedade civil é válida. O discurso dos dois partidos (e do governo) sobre uma eventual partidarização da manif a indicia. Em relação a esse ponto, o Djumbai Libertariu de 21 de Março é elucidativo... e oportunismos sempre existiram em momentos destes (o cenário de luta interna nos amarelos surge como uma importante dimensão de análise a explorar pelos politólogos). O que fica é que os foleiros saíram à rua e como anarquista foleiro estou que nem a Keny Arkana: "Indignados" para a rua em modo "Désobéissance Civile" (ignorantes daqueles que perceberem nisto uma apologia à violência).     

[Imagem da MAC#114]