03/04/2015

Afinal, o barril de pólvora existe...


Olhando para o cenário sociopolítico oito meses depois, os últimos dados do Afrobarometer mostram que os cabo-verdianos estão pessimistas em relação à situação ecnómica do país, tendo a situação piorado nos últimos doze meses. O desemprego (72%) é a maior preocupação, seguido pelo crime e segurança (38%) e pobreza (25%). A falta de alimento/fome é percepcionado como um dos dez principais problemas do país. A coorporação policial é a instituição percepcionada como a mais corrupta, seguida dos funcionários públicos, Primeiro-Ministro e funcionários do seu gabinete e funcionários das finanças. Os deputados nacionais surgem no sexto posto das instituições percepcionadas como a mais corrupta do país. 73% dos inquiridos acham que os líderes dos partidos políticos estão mais interessados em servir as suas próprias ambições políticas. O governo é mal avaliado em relação ao combate na redução do crime, luta contra a corrupção no seu seio, criação de emprego, melhoria da condição de vida dos pobres e redução da desigualdade social. Os cabo-verdianos confiam menos no PAICV (39%), nos partidos da oposição (42%), no PM (47%) e no Presidente da República (57%).

Em suma, para o cabo-verdiano o país encontra-se em recessão económica, a corrupção institucionalizou-se, as instituições públicas não funcionam, os políticos só pensam no seu bolso e o governo tem falhado nos sectores cruciais, como são os sectores sociais e de fiscalização.

José Maria Neves recebido com protestos na Boa Vista. Afinal, o barril de pólvora existe, escreve o jornal A Voz...

[Na imagem A Voz de 3 de Abril de 2015]