28/02/2015

Da série "vídeos que nunca irão passar na TCV"

Escrevi algures que existe um tipo de rap cabo-verdiano simbolizando a fala do subalterno e representando o "mundo de baixo", expressão de uma nova forma de protesto juvenil oculto a que Jean-Marc Ela apelou para que os pesquisadores africanos estivessem atentos. A nova narrativa dos Vice City enquadra-se neste tipo de rap, de cariz pós-colonial, em que através da crítica ao legado colonial (re)constroi-se uma identidade contestatária contra aquilo a que Samir Amin chamou de farsa democrática.

"Indiferença" é resultado de mais um trabalho colaborativo com o gangsta rap (revolutionary gangsta rap) praiense.

[Imagem de Dudu Rodrigues, 2008]